O tiro de pólvora seca da revista Sábado

VAI E VEM

Se os jornalistas não confiassem tão cegamente em  fontes “privilegiadas” que lhes sopram “certezas” que eles nem se dão ao trabalho de confirmar, mesmo quando isso até nem daria muito trabalho, escusavam de ver depois desmentidas as suas cachas, de maneira quase  humilhante. Foi o caso da revista Sábado com a notícia de  uma denúncia sobre alegados pagamentos do grupo Tecnoforma a Pedro Passos Coelho quando este desempenhou funções de deputado, alegadamente  em exclusividade, entre 1995 e 1999 (e que ascenderiam a 150 mil euros). A AR veio agora esclarecer que Passos Coelho “não teve entre novembro de 1995 e de 1999 qualquer regime de exclusividade enquanto exerceu funções de deputado”.

Claro que a revista pode sempre dizer que a notícia é verdadeira porque a denúncia existe e até foi confirmada pela Procuradoria-Geral da República. Mas se a Sábado tivesse confirmado a situação do então deputado Passos Coelho e verificado que ele…

View original post mais 233 palavras

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s